quinta-feira, 25 de abril de 2019

Liberdade: 25 de abril de 1974 !

Uma imagem, da primeira página do Jornal miradouro, da nossa vivência deste importante acontecimento social e politico do século passado.


jornal do arquivo da ADEP, Biblioteca Manuel Afonso da Silva

edição especial do dia pelo JN. Arquivo da ADEP por oferta da família de José João Strecht Teixeira .

sábado, 13 de abril de 2019

Voluntários e colaboradores, sim ?










Os três primeiros e talvez os principais "braços direitos" deste nosso projecto que começou em 1986: Arnaldo Vieira, mestre construtor  de rabelos e outros barcos tradicionais, de Melres; Manuel "Rouquinho" de Areja, Lomba, ajudante de carpinteiro e marinheiro e António Teixeira "Pai Natal", de Sobrado, marinheiro, "Arrais de serviço" o responsável pela espadela na V Regata em Vila Nova de Gaia, em que saíu vencedor o rabelo "Douro + Paiva".



                            
Os marinheiros da V Regata (e o director Sebastião Vieira da Silva)

Infelizmente uma parte destes homens já nos deixaram e nunca é demais realçar a atitude e o trabalho desenvolvido em prol de uma causa que é de todos: conhecer, divulgar e valorizar vertentes do nosso património material e imaterial!

Fica esta memória em homenagem à nossa gente "marinheira do Douro"!

Hoje continuamos a convidar voluntários para as diversas tarefas pontuais a que temos de fazer frente, no Parque das Tílias, nas nossas Instalações, nas Actividades, no Viveiro, nos Monumentos, na Divulgação! Seja nosso ADEPto! Trabalhamos pelo que é de todos!









mais sobre o tema, ver no marcador barco rabelo

sábado, 6 de abril de 2019

Assembleia da ADEP aprova documentos de gestão. Folha de serviço de 2018

Devemos procurar manter uma atitude de vigilância e denúncia permanente das situações lesivas dos nossos valores patrimoniais e ambientais, que há-de retornar para a ADEP alento renovado para novos projectos, reiterar o crédito e prestígio granjeados, que permitam melhorar a relação, imagem e autonomia,  com a comunidade e suas instituições, proporcionando assim o aumento de parcerias para a realização de mais iniciativas que dinamizem a Associação e acrescentem valor aos nossos espaços no Parque das Tílias. Esta uma das linhas do Plano de Atividades aprovado em recente sessão da Assembleia Geral de associados, sessão onde Mário Gonçalves Pereira, foi agraciado com o título de sócio honorário. De referir que uma vez mais não houve listas candidatas à eleição. 


                                          
ADEP – Associação de Estudo e Defesa do Património Histórico-Cultural de Castelo de Paiva. Pessoa Colectiva de Utilidade Pública. Organização não governamental de ambiente (ONGA). Inscrita no Registo Nacional, com âmbito regional, na Agência Portuguesa do Ambiente, I. P.

Relatório da actividade desenvolvida em 2018

                        A . ROTEIROS E PERCURSOS
       Desenvolvidas primeiras diligências:

1. Com vista ao lançamento da iniciativa que visa criar, sinalizar e divulgar um percurso pelos Castros, Mamoas e subida aos Penedos del’Rei Garcia, que tem condições para divulgar um importante conjunto patrimonial, histórico, megalítico e castrejo e bem assim diversos valores ambientais capazes de proporcionar caminhadas plenas de história e natureza;
2. Para reunir apoios e parceiros que possam  no terreno ajudar a sinalizar e divulgar o caminho de Fátima que faça a ligação de Paiva aos concelhos do sul (Oliveira de Azeméis) e destes inversamente seguindo pelos concelhos a norte (Marco de Canaveses) em direcção a Braga, o caminho de Santiago;
3. Em parceria com o Movimento Cidadãos do Mundo foi realizada a 1,ª cãominhada pela Rota das origens de Santo António.

      B . Parque das Tílias e Valências Temáticas
1. A título experimental o Parque das Tílias esteve sempre aberto, sob a monitorização de João Vieira, José Silva e Fernando Beato, e teve o apoio da Junta de Freguesia de Sobrado e Bairros  nas limpezas gerais.  A experiência de dois anos é agora um instrumento de trabalho na discussão da quantificação dos recursos necessários e da repartição dos custos pelas entidades com vocação e atribuições para tal. As valências tiveram igualmente o acesso franqueado e gratuito  a todos quantos se nos dirigiram nesse sentido, também no Dia dos Moinhos a casa dos Engenhos esteve aberta ao público. Foram efectuadas por nossa conta  limpezas de infestantes no talude mais próximo das edificações, trabalho que tem de ser continuado no próximo ano; Diversas iniciativas próprias e de terceiros tiveram o nosso apoio, como foi o caso do colóquio da Imprensa escrita.
2.O estágio proporcionado ao jovem, manteve a nossa sede e valências abertas, de Maio a Dezembro, a todos os associados e público em geral, tendo sido dirigida circular aos sócios a convidá-los a visitar a ADEP;
3.  Decorreram ainda alguns trabalhos de restauro no Barco rabelo que beneficiaram do apoio da Casa do Zé – Churrasqueira;
4. Efectuados contactos com vista a encontrar patrocinadores que aceitem incluir a divulgação dos seus produtos e marcas nos painéis a colocar na lateral nascente do abrigo do barco, por forma a mitigar a demasiada exposição ao tempo;
5. Obras: foram colocados os vidros partidos, reparadas as caleiras no edifício da sede. No edifício do Museu continua a haver problemas com infiltrações pelo que haverá que agendar trabalhos, nos restantes guieiros, no próximo ano. Consultar quem possa dar parecer sobre a viabilidade de impermeabilizar as paredes exteriores do edifício do Museu “Primeiras Artes”;
6. Abertura do espaço Biblioteca “Manuel Afonso da Silva”, uma manhã por semana – às segundas feiras, ao cuidado de Fernando Damas. Com destino à biblioteca foi recebido importante espólio bibliográfico, de época e alusivo ao 25 de abril. O colóquio sobre a imprensa escrita da iniciativa do Movimento Cidadãos do Mundo teve o apoio da ADEP na disponibilização das instalações e colecção dos jornais existentes.
7. Temos insistido junto da Ambisousa no sentido de dotar o Parque de equipamentos de ecoponto e compostagem que possam sensibilizar para um comportamento responsável e assegurar a recolha de resíduos.
8. Efectuados trabalhos de reconhecimento de áreas geológicas com  evidências fósseis de vários tempos antropológicos. Feita sentir a necessidade de encontrar um local e apoios para a exposição desta área da nossa história natural.
      C.CANDIDATURAS
1. Não foi financiada a candidatura apresentada ao Fundo Ambiental  propondo um estudo divulgação e exposição permanente para a colecção de fósseis das Minas do Pejão, colectados por António Patrão;
2. Foi aprovada candidatura a estágio Profissional , de 9 meses, para jovem da área de secretariado de administração e gestão;
3. Não foi aprovada a candidatura apresentada para substituição e restauro da    utensilagem do linho ao  programa Valorizar Turismo;
4. Aprovada no IPDJ candidatura adiante referida “A árvore e a Floresta”.
       D. ARQUEOLOGIA
1. Com a supervisão da DGPC foi dada colaboração a jovem arqueólogo Vitor Gomes que desenvolve trabalho académico que procurou conferir no terreno o estado de conservação e sua inventariação geo - referênciada de todas as mamoas referenciadas na Carta Arqueológica dos anos 80; trabalho que está muito adiantado, tendo sido entregue ao Município a relação geo - referênciada de todos os sítios, pese embora as carências ao nível de contactos com os proprietários, trabalho que os serviços do Município assumiu mas não concretizou até há data;
2. Divulgados outros valores e preocupações a precisar de apoio público  e acompanhamento no terreno dos serviços de arqueologia;
3. Indicados ao Município alguns valores da Arqueologia para serem adoptados no cadastro toponímico. (da mamoa, da  Ara, da Cruz, do marmoiral, do castro, da necrópole, etc.)

      E. FEIRA DO SECULO DE XIX
1. Como vem sendo habitual teve a participação de vários grupos de animação, artesãos e produtores agrícolas, Grupo dos Mineiros com demonstração de  trabalhos, Grupo do Linho de Real com o habitual desempenho das artes do linho, encenando o Rancho de São Martinho com a colaboração da ARCAF  a chegada das carqueijeiras com os molhos dos mutenos ao barco rabelo. Participou na feira o actor de nomeada Carlos Sebastião representando a figura de um frade confessor do povo crente e pecador;
2. Foram expostas fotos de figuras marcantes de participantes nas diversas edições da Feira. As impressões das fotos foram oferecidas por João da Gráfica;
3. Pela primeira vez aberto um espaço para os autores da região divulgarem as suas obras e interagirem com a população sobre temas do quotidiano.
4. Divulgado parecer no sentido de uma verdadeira politica de apoio às artes e ofícios tradicionais que passa por envolver, ocupar e remunerar em representações de feiras e eventos os nossos artífices, densificando mais o trabalho nas diversas artes e dando-lhe mais visibilidade também fora de portas. O retorno conseguido há-de dar mais alento a saberes e artes em desuso e assim será possível não descurar a memória e novas aprendizagens e agir também na recuperação, restauro e exposição condigna dos utensílios e trabalhos.
      F. AMBIENTE
1.Aprovada candidatura “A árvore e a Floresta” no IPDJ para ocupação de 2 jovens      - trabalho voluntário -, com um  projecto para sensibilização pela protecção da floresta que    realizou trabalhos de limpeza e apoio à manutenção do Parque;
2. Iniciativa de sementeira de 1600 bolotas de carvalho recolhidas, na mata da Quinta da Boavista, com jovens OTL, Escuteiros, jovens SOS Rio Paiva, entre outros, para futuras acções de florestação;
3. Várias denúncias públicas no blogue, junto da imprensa local, de grupo parlamentar, bem como queixa  aos serviços competentes do município e da administração central sobre o panorama ambiental da região e concelho, designadamente a propósito do  incêndio nas entulheiras das Minas do Pejão (Germunde); deposição  de lixos perigosos no sitio das primeiras Minas do Pejão; vandalismo (Carvalho Mau e Parque das Tílias) e degradação de monumentos (Boavista, Torre de Vegide, Gondim, Fábrica da Manteiga, algum do edificado das Minas do Pejão) e paisagem, esta devido principalmente à florestação desordenada, proliferação das invasoras; abate injustificado de árvores centenárias; queimadas desnecessárias; ausência de saneamento e outros.


      G. ACTIVIDADE EDITORIAL
1.Editada a obra de Mário Gonçalves Pereira “Sobrado de Paiva Medieval” cujo lançamento teve lugar na Casa da Boavista. O município adquiriu 100 exemplares;
2. Editados cerca de 500 calendários de parede para 2019, a pagar pelas casas comerciais, com referência às Tílias do Largo do Conde.
3. Editados também calendários com imagens dos artesãos e figurantes na Feira (Grupo do Linho, Mineiros, Tonito com os Bois do Terreiro, Fátima Gabriel, Tia e senhor Domingos “Naipum”, Firmino da Cêpa, A. Patrão, Ferreiro da Cepa), e todas as Juntas de Freguesia;

      H. CLASSIFICAÇÃO DE VALORES JUNTO DA DGPC
1. Depois da recebida notícia de estar submetido à consideração superior o pedido de classificação das Pedras da Sirga em Rio Mau, Penafiel, foi-nos comunicado que o processo foi encaminhado para a Câmara Municipal de Penafiel a quem foi aconselhada, nos termos legais, a classificação como Valor concelhio.
2. Continua sem resposta o nosso pedido de classificação da Ponte Velha de Pedorido que encaminhamos para a Câmara Municipal depois que o mesmo foi sugerido e proposto pela DGPC (Direcção Geral do Património Cultural).
      I. APOIOS E PATROCÍNIOS
1. Há mão de obra, serviços prestados e custos com deslocações efectuados por associados e amigos que não estão contabilizados porque foram assumidos pelos voluntários/doadores. O cartaz do evento feira do século XIX por exemplo  foi-nos oferecido a título de patrocínio. De referir o apoio prestado pela Junta de freguesia de Real no Transporte dos elementos do Grupo do Linho e a doação da madeira, pelo segundo ano consecutivo, pelo sr. Manuel da Bajanca, para os trabalhos do Grupo dos Mineiros;
2. Foram feitas diligências com vista a assegurar outros meios de financiamento,  indispensáveis à sustentabilidade da associação;  junto das empresas, disponibilizando espaço de publicidade; sensibilizando associados e amigos  para a facilidade de apoiar a ADEP sem custos, recorrendo à consignação de IRS.
      J. INICIATIVAS QUE VISAM LOUVAR E PERPETUAR O NOME E MEMÓRIA DE PERSONALIDADES COMO TRIBUTO AO SEU CARÁCTER, DINAMISMO, ALTRUÍSMO E FEITOS RELEVANTES
1.Colocação de retratos ou imagens na Galeria de exposições.
Depois de Vieira Guedes, mecenas e industrial papeleiro, que a partir de outubro de 2017 passou a fazer parte da Galeria  dos Empreendedores, na sala de exposições do 1.º piso, onde já constam desde 2016  Jean Tyssen e sua nora Marcelle Tyssen, administradores das Minas do Pejão, também os homens de letras: Júlio Strecht, João Salema e Paio Soares Romeu foram lembrados e passaram em 2018 a constar da mesma Galeria.
2.Geminação de Paiva com Campos do Jordão / Brasil
Fizemos chegar ao Presidente da Câmara  a nossa anuência  à vontade que nos foi manifestada de que se iniciem diligências e contactos com vista à geminação de Castelo de Paiva com  a cidade de Campos do Jordão no Brasil. O pedido chegou-nos por intermédio de parente de Sebastião de Oliveira Damas, este que, como muitos outros paivenses, no inicio do século passado  emigraram, alguns que tornaram outros que por lá ficaram, e a quem se reconhece muita importância para a cultura, a história e progresso daquela cidade e região.

      L. ASSOCIADOS
Verificou-se que até 31 de dezembro estão inscritos 556 associados (efectivos, auxiliares e honorários). Continua por fazer  uma limpeza global dos ficheiros que passa por retirar os não pagantes.

Uma palavra de agradecimento a quem ao longo dos anos, de uma forma ou de outra, tem dado o seu contributo ajudando a realizar, algo do que é visível e palpável, fortalecendo o ideal da ADEP  e dando assim público testemunho do trabalho, meritório e voluntário, que esta associação, vem realizando desde 13 de Agosto de 1980.

Discutido, votado e aprovado por unanimidade em reunião de Direcção aos 28.01.2019
O Presidente da Direcção

e discutido e votado pela Assembleia Geral onde foi aprovado por unanimidade aos     30 .    03.    2019

O Presidente da Assembleia Geral

terça-feira, 2 de abril de 2019

Vinho de Paiva sem Adega Comunitária!

Vinho de Paiva sem Adega Comunitária!

Se leu e acreditou, desengane-se porque ontem foi 1.º de abril!
Lamentamos que tal não aconteça...quem sabe um dia!

"Vinho de Paiva volta a ter Adega Comunitária!

Os pequenos produtores de vinho vão ter ao seu dispor, a adega e lagares da Quinta da Boavista, junto ao Marmoiral, para vinificar as suas uvas e armazenar os seus vinhos. Num encontro tripartido, dos vários produtores, Município e  usufrutuários ter-se-á chegado a acordo sobre esta reutilização, com especial vocação para a fermentação vínica, nos seus grandes lagares de granito, admitindo-se até que possa vir, numa segunda linha, a ser também agregada ao projecto a adega da Casa da Torre de Vegide (esta a necessitar de maior reabilitação). Além da vinificação estão previstos programas didáticos de visitas e de provas em ocasiões festivas e a coordenar pelos utilizadores.
Um projeto que vai ao encontro do interesse de todos os intervenientes, considerando que se salva assim uma utilidade patrimonial que estava a degradar-se, dá uma oportunidade de concorrência ao único comprador cessionário da extinta Adega Cooperativa, e potencializa-se um ativo que remunera a sua utilização e fortalece a economia  e o saber adquirido de fazer vinho, já pelos nossos antepassados, como testemunha o Foral de Paiva.

E se o município tem vindo a apoiar a divulgação deste produto, com clara vantagem para os produtores com marca, é mais que justo que  se dê um sinal de apoio também aos pequenos produtores e à produção familiar.

Igualmente esperançosa se torna a perspectiva de que o avanço deste projecto crie outros consensos e dê finalmente novas oportunidades  para que se concretize a vontade e o Legado do Conde de Castelo de Paiva."