sábado, 17 de março de 2012

Pedras que falam ! O Penedo e Lapa d' El-Rei Garcia


Para encerrar este tema vamos apenas falar do Penedo d'El-Rei Garcia,também ele em Sobrado, na certeza de que de penedos e "pedras que falam" muito ainda haverá para dizer. Nada diremos sobre uns tais penedos que em dias de temporal se mudaram do campo de baixo para o de cima, nem do penedo que servia de pista de descolagem para as arrojadas e visionárias experiências de aeronáutica rural, preferindo deixar estas memórias para o caldo da imaginação popular... Também não vamos falar do Penedo Trolha na Foz do Paiva, do que dele dizem as gerações mais antigas que aí aprenderam às suas custas a nadar e a mergulhar nem muito menos dos segredos que guardará de um passado mais ou menos longínquo da estada e recreio dos veraneantes naquelas praias fluviais, até que encheram a barragem. Dos restos da Ermida de S. Pedro, no Outeiro, e da atalaia ou castro que aí terá existido ...fica para quem queira dedicar-se. Dos pelourinhos, de Sobrado e da Raiva, de outras sepulturas antropomórficas, como chegamos a testemunhar em S. Pedro, ainda que já danificadas, cabeceiras de sepulturas, mós, colunas e outros reaproveitados em construções, amiúde voltaremos, (porque "grão a grão...") todos contribuem para sinalizar a nossa história e memória colectiva, pena que nem sempre lhes dispensemos os cuidados necessários à sua preservação dada a sua valia cultural.
O Penedo de El-Rei Garcia, referenciado nas "Lendas e Tradições de Castelo de Paiva" de Adriano Strecht de Vasconcelos - foto a folhas 55 - formado por um aglomerado de enormes penedos (calhaus rolados), existentes no monte do Côto, oculta uma lapa ou gruta onde, segundo a tradição local esteve refugiado D. Garcia, Rei da Galiza, quando em guerra com seu irmão D. Afonso, filhos de D. Fernando de Castelo, pelos anos 1065 d.C.. Esta lenda assenta nas reminicências das cruzadas e peregrinações que nos ligam umbilicalmente à Galiza.
















Martinho Rocha

quarta-feira, 14 de março de 2012

Dia dos Moinhos Abertos


Aí está o cartaz 2012 para o Dia Nacional dos Moinhos abertos.
Além dos Moinhos da Balsa, Cabril e Santa Iria no Rio Sardoura, também as atafonas da ADEP (engenho de moer linho e de moer azeitona instaladas na Casa dos Engenhos Dr. Justino Strecht no Parque das Tílias) vão ter acesso franqueado nos dias 31 de Março e i de Abril.
As visitas escolares e das instituições de solidariedade poderão também realizar-se noutros dias desde que antecipadamente se façam anunciar.

sábado, 10 de março de 2012

Pedras que falam ! As Pedras de Linhares

Local incontornável na história trágico-fluvial do Douro, pelos inúmeros relatos de afundamentos de barcos rabelos, as pedras de Linhares, junto à foz do Rio Sardoura, hoje submersas por causa do enchimento da Barragem de Crestuma são um conjunto de "penedos errantes" como lhe chama Pinho Leal que estão também associados a movimentações militares dos miguelistas.
A Quinta de Linhares fronteira às referidas Pedras terá sido o Quartel -General, o lugar de esconderijo e de repasto para um conjunto de figuras que como Pinho Leal, Mac- Donell e até Camilo Castelo Branco por aí terão passado em funções e actividades diversas,designadamente belicosas e de convívio gastronómico.

terça-feira, 6 de março de 2012

Assembleia Geral e Eleitoral

*Vai ser Convocada a Assembleia Geral da ADEP - Associação de Estudo e Defesa do Património Histórico-Cultural de Castelo de Paiva para se reunir em sessão ordinária, na sua sede, à Frutuária - Parque das Tílias, na sala Arquivo Fotográfico – Luís Lousada Soares”, no dia 31 de Março – Sábado, pelas 13,30 horas, com a seguinte,

ORDEM DE TRABALHOS:

1 - Leitura e votação da acta da última assembleia;
2 - Discussão e votação do Plano de Atividades e Orçamento para 2012;
3 - Discussão e votação do Relatório de Contas e das Atividades no ano de 2011;


* Os documentos e regulamentos podem ser consultados, na sede da ADEP.

*Em segunda convocatória terá lugar a Assembleia Geral da ADEP - Associação de Estudo e Defesa do Património Histórico-Cultural de Castelo de Paiva, para a eleição dos corpos gerentes para o triénio 2012/2014, na sua sede, na sala Arquivo Fotográfico – Luís Lousada Soares”, no dia 31 de Março – Sábado, pelas 15,30 horas.
• As listas devem ser entregues até ao quinto dia anterior ao ato eleitoral.

domingo, 4 de março de 2012

Pedras que falam. O dólmen do Inferno

"Na província do Douro, sobre a margem esquerda do Douro, logo abaixo do lugar do Castello de Paiva, próximo das Pedras da Rua, está um grande dolmen, faltando-lhe a pedra horizontal.Pousava esta em sete pilares redondos (dos quais seis existem intactos). Estes pilares ou colunnas não são monolythos, mas cada um composto de três pedras com juntas bem feitas, o que mostra ter sido construído na edade do bronze ou do ferro. Nenhum dos nossos archeologos falla n'elle". Ainda Pinho Leal, desta vez sobre o dólmen do Inferno, no sitio também conhecido por Castelo de Baixo.Margarida Rosa Moreira de Pinho em meados do século passado, portanto, antes do enchimento da Barragem de Crestuma já refere terem sido infrutíferos os esforços para localizar os vestígios.