sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Benefício Fiscal: ADEP consegue objectivo porque lutava há 7 anos !


A ADEP iniciou em 2007 uma campanha de sensibilização pela equiparação das ONGA / pessoa colectiva de Utilidade Pública ao regime já então previsto para as entidades religiosas e de âmbito social. Nessa iniciativa abordou a Agência Portuguesa do Ambiente, o Ministério das Finanças, a Presidência do Conselho de Ministros e os Grupos Parlamentares.
A ADEP esforçou-se, nestes sete anos, por defender a necessidade e justeza de uma iniciativa legislativa que acabasse com a discriminação a que estavam sujeitas as ONGA (designadamente as reconhecidas de Utilidade Pública) e os cidadãos que, sendo ou não seus associados, estavam impedidos - por um Estado Laico - de destinar para os fins definidos pela CRP, como tarefas fundamentais do Estado, uma quota equivalente a 0,5% do imposto sobre o rendimento como o podiam fazer os cidadãos simpatizantes das igrejas para fins religiosos ou de beneficência (assim o consignou o art.º 32, n.º 4 da Lei da Liberdade Religiosa (Lei 16/2001 de 22 de Junho).

Quando se preparava para se dirigir ao Provedor de Justiça eis que chegou a tão desejada noticia: Uma alteração legislativa, no quadro da reforma da fiscalidade verde, introduzida pelo artigo 11º da Lei n.º 82-D/2014, de 31 de dezembro, à Lei n.º 35/98, de 18 de julho, que define o estatuto das (ONGA ) organizações não-governamentais de ambiente, permite agora a possibilidade destas organizações poderem usufruir do benefício fiscal de uma quota equivalente a 0,5% do imposto sobre o rendimento de pessoas singulares, liquidado com base nas declarações anuais.  
É agora, para quem paga impostos,  mais fácil apoiar as associações de defesa do património e ambiente, que desenvolvem tarefas fundamentais do Estado e que são detentoras do estatuto de Utilidade Pública, como é o caso da ADEP.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Grupo do Linho de Real / ADEP no Aeroporto !


Ontem na acção promocional da Camara Municipal nas instalações da Turismo Porto e Norte no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, lá esteve o nosso Grupo do Linho de Real / ADEP a promover e a divulgar as nossas tradições!









quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

O Carnaval em Castelo de Paiva

Iniciava-se na Festa do Santo Antão, em Sá, logo em Janeiro e repetia-se na festa de S. Sebastião (na Vila). O ponto alto era depois no domingo e na terça-feira de Carnaval. Carros enfeitados, serpentinas, confetis e bisnagas de éter  com um chuveiro de papelinhos multicores …era assim que se jogava o carnaval em Castelo de Paiva!
Vejam-se os recortes do "O Defensor", dos anos 20, que reunimos do calendário da ADEP - 2007.








                                                          foto de António José Nunes (Tó-Zé)


segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

A HISTÓRIA NÃO SE APAGA !


Em página anexa podem ver-se alguns recortes de noticias das Caminhadas do Foral. Estas 7 caminhada são apenas algumas das iniciativas desenvolvidas pela ADEP no âmbito da comemoração da atribuição (ano de 1513 em Lisboa) e entrega  (ano de 1517 em Vilar de Nojões) do Foral à Terra de Paiva), iniciativas onde se trataram de muitos outros valores da nossa cultura! 

Sim, a efeméride foi lembrada e confortada ainda com outras acções da nossa iniciativa: uma palestra, proferida pelo Professor Francisco Ribeiro da Silva, da Faculdade Letras do Porto (já em 1994); no 500.º aniversário publicados: um calendário de parede; "Ara romana de Vila Verde" de José D'Encarnação, Professor da Universidade de Coimbra e "Santo António de Lisboa - encontro nas origens - Castelo de Paiva" por Mário Gonçalves Pereira; um passeio equestre e a 1.ª recriação da Feira de Nojões. 
Apareça então quem tenha maior/melhor folha de serviço ou que tenha mobilizado mais pessoas, em iniciativas sobre o Foral, sendo certo que quanto a apoios...é o que se (não) vê!

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Aprovados na Direcção os documentos a levar à próxima Assembleia Geral

    A Direcção a provou já o Plano de Atividades e Orçamento para 2015, assim como a Conta de Gerência e o Relatório das Atividades realizadas em 2014.Segue-se a análise pelo Conselho Fiscal.


Para ler ver página anexa.

No ano em que finalmente se dão alguns passos no que respeita ao saneamento e também, pensamos, no que respeita à problemática do amianto – problemas para que  há vários anos pedimos intervenção, não podemos deixar de lembrar os projetos e ideias que entendemos podem ajudar a desenvolver o concelho e região e que têm estado subjacentes à nossa linha de pensamento e atuação, tendo em vista o turismo, património, ambiente e cidadania:
................................................................................................................................................................
Uma palavra de agradecimento a quem ao longo dos anos, de uma forma ou de outra, tem dado o seu contributo ajudando a realizar, algo do que é visível e palpável, fortalecendo o ideal da ADEP  e dando assim público testemunho do trabalho, meritório e voluntário, que esta associação, vem realizando desde 13 de Agosto de 1980.

ADEP na listagem das Organizações não-Governamentais de Ambiente (ONGA)


ADEP na Agência Portuguesa do Ambiente: uma das catorze ONGA's de âmbito regional !



Grupo do Linho de Real da ADEP

Dia 20 de Fevereiro da parte da tarde vai estar no Aeroporto F. Sá Carneiro, na acção promocional da Turismo PortoeNorte

Dez anos de actividade !


quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Fósseis do Couto Mineiro do Pejão. Exposição de António Patrão

«O JARDINEIRO DA PEDRA» EM DESTAQUE NA REVISTA SUPERINTERESSANTE
«O jardineiro da pedra» é o título da reportagem que a revista Superinteressante dedicou aos fósseis que António Patrão tem recolhido em Castelo de Paiva, durante os últimos trinta anos. Ao longo de oito páginas, a edição n.º 202 desta revista propõe uma viagem às florestas do Carbónico, onde estes achados têm ajudado a construir a puzzle da Bacia Carbonífera do Douro e da floresta tropical que ali existiu há 300 milhões de anos.
Parte deste espólio deu origem à exposição itinerante «A Floresta Tropical do Pejão de Há 300 Milhões de Anos», uma iniciativa do Museu de Geologia Fernando Real, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, em parceria com o Arouca Geopark e o Comité Português para o Programa Internacional de Geociências da UNESCO. Esta exposição esteve patente, no Museu de Geologia Fernando Real e encontra-se, atualmente, no Centro de Interpretação da Cultura Local, do município de Castelo de Paiva."

transcrevemos da página do Geoparque / facebook