domingo, 22 de março de 2020

Circular junto ao cedro classificado é perigoso!

Já o fizemos e voltamos a publicamente alertar para o perigo de dois ramos, deste cedro, caírem porque já estão partidos, desde um dos últimos ciclones. Recorde-se que este antigo e belo exemplar do nosso património arbóreo foi recentemente classificado pela ICNF, merecendo também por si mesmo cuidados técnicos à altura das suas necessidades (e é caso para dizer, também das nossas...)




As fotos, que agradecemos a foto de Rui Pereira, não deixam dúvidas.

domingo, 1 de março de 2020

Partiu o Sebastião “da Casa do Povo”, a ADEP presta-lhe a sua homenagem!



A passagem do tempo ultrapassa-nos tamanha é a velocidade e tão grande o peso da inércia;  se não estamos despertos, se não fazemos um esforço para perceber e sentir o passar da brisa da vida, arriscamos a inócua passagem à fase final da metamorfose terrena e nada deixamos que recorde aos vindouros que a vida vale a pena e que connosco o mundo melhorou um pouco!
Não é o caso do Sebastião, que  foi nosso amigo, associado e diretor. Homem de causas e vontades, interventivo e militante. Muito antes de nós já o seu invejável currículo de cidadão ativo era reconhecido. A ele também se deve muito do que a ascensão social e cultural que a  Casa do Povo  proporcionou, felizmente há poucos anos teve a oportunidade de o lembrar na primeira pessoa; mas também o seu contributo passou por outras inovadoras iniciativas e projetos algumas que entretanto  foram modificadas e deslocalizadas, como por exemplo o início dos festejos a S. João de Paiva, que começaram com animação de cascatas na Frutuária, a ele se devem.
Sem a sua intervenção o nosso historial seria noutro; com entusiasmo, disponibilidade e persuasão bateu a algumas portas para pedir e reclamar apoios e ajudar a levar para a frente projetos e trabalhos com valor para a terra e que ajudaram a divulgar e a transportar para o futuro a memória e cultura das gentes de Paiva.
Acompanhou ativa e praticamente toda a epopeia de construção do rabelo “Douro – Paiva”, “escola de marinhagem” com os antigos arrais e marinheiros, atividade fluvial e turística e foi um ativista na causa do resgate e primeiro arranjo urbanístico do Marmoiral. Também o processo da integração da Casa do Povo foi por ele interpretado como uma oportunidade de defender os valores, incentivar e ombrear com os jovens para as causas comuns. E esta é uma grande lição de cidadania; já sexagenário, e durante mais de uma década, com o mesmo ou ainda maior ânimo que o dos jovens a que se associou, e que tinham metade da sua idade, trabalhou ativamente pela defesa do património Paivense!

Deixamos esta simples homenagem, cientes de que o nosso dever é tudo fazer para que os seus valores e lição de vida continuem a ser cultivados, para bem  da comunidade e harmonia com os deuses.





















Martinho Rocha

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Ajudar sem custos!

Oportunidade para ajudar a ADEP, consignando 0,5% do IRS pago!





domingo, 9 de fevereiro de 2020

Viveiros e florestação em S. Domingos

Boavista, fevereiro 2020

No ano passado lançamos a iniciativa de florestação - que aconteceu em S. Domingos a 23 de março - com árvores que criamos no nosso viveiro, no Parque das Tílias: carvalhos autóctones. Foi uma iniciativa muito participada, com diversas instituições, escolas, autarquias a colaborar.
Este ano lançamos o repto de voltar a S. Domingos, com o pretexto de replantar nos sítios onde a plantação anterior não vingou, e adiantamos como datas possíveis os fins de semana de 15/16 e 22/23 de fevereiro. Porém, da Junta de freguesia do Baixo concelho (União freguesias de Raiva, Pedorido e Paraíso), dizem-nos os autarcas que a plantação já foi feita e que não haverá já espaços disponíveis para  novas plantações.
Resta anunciar a nossa disponibilidade, e também para a cedência de carvalhos.
Vamos manter as datas para trabalhos no nosso viveiro, no Parque das Tílias: plantar novas árvores e cuidar do espaço.
Fica o convite para todos os voluntários!

PS.
O último mau tempo deixou em alguns locais da região os sinais dos seus estragos. Um dos locais foi também a mata da Boavista. E estes acontecimentos deixam-nos tristes...Sugerimos a quem de direito informe das reais dimensões, do que se passou e também do que se está a fazer.

Visita de D. Armando Domingues

Tivemos a honra de receber entre nós D. Armando Domingues, Bispo auxiliar da Diocese do Porto, no âmbito da visita pastoral que decorre há várias semanas nas nossas paróquias. Uma presença simpática, que mostrou interesse e conhecimento do terreno "que apascenta o seu rebanho", e que nos criou muitas e auspiciosas expectativas sobre intercâmbios e projectos que poderemos realizar conjuntamente!


sábado, 11 de janeiro de 2020

Poemas de autor anónimo, oferecidos à ADEP: "Rio Paiva" e "Marmoiral"

Poema Rio Paiva

http://3.bp.blogspot.com/_duUVqLa9Hhk/TSjYfY9HYFI/AAAAAAAAAHo/g-p1xNXJ_HE/s320/Sem+T%25C3%25ADtulo.png


Rio de água brava
Artífice em medos,
Ninguém te trava
Por entre penedos.

Águas revoltas
Brotam brancura,
Enroladas voltas
O Douro segura.

Paiva é aventura
Em vale natural,
Vida de ternura
Ambiente rural.

Vertente estreita
Límpido o leito,
Sol alto espreita
Brilhante efeito.

Verdes encostas
Atraente beleza,
Fragas expostas
Idílica natureza.

28/04/2008
ADN º_º





Poema MARMOIRAL
http://2.bp.blogspot.com/_duUVqLa9Hhk/TSh4oiaZl_I/AAAAAAAAAHk/TdnuBRg5EXs/s320/Sem+T%25C3%25ADtulo.png

Ilustre nobre guerreiro
Defensor deste cantão,
Leal e afoito cavaleiro
Valente devoto cristão.

Bravo lidador apeado
Deslumbrante a lutar,
Arrebatador e ousado
Glorioso a conquistar.

Misterioso e lendário
Combatente da nação,
Aventureiro temerário
Está no nosso coração.

Granítico monumento
Da primeira dinastia,
A arma do juramento
Espada que combatia.

Imponente estandarte
Por Paiva triunfante,
Consolidado baluarte
Na memória distante.

25/10/2009
ADN º_º

sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

BOAVISTA, sem fumo branco!



BOAVISTA, sem fumo branco!



Nestes meses de inverno
já não há fumo nas chaminés
da Boavista.

Para uns acabou-se o inferno,
para outros não faltarão “lamirés”
em vista

O tempo a seu modo vai correndo
A fé aos poucos vai morrendo
Tudo o que lá resta
brevemente não presta

A Esperança não morre
mas à Boavista ninguém acorre

Mês após mês, ano após ano,
seja por dentro ou por fora, tudo se vai,
tudo perece como por engano
como a núvem que no céu esvai
sem destino, em sonho vão...
Assim vai a Boavista caindo no chão!




Castelo de Paiva, Dia de Reis, 2020
























Poema recebido de associado que pretende manter anonimato.