domingo, 27 de fevereiro de 2011

A Arte da poda !


A Geometria está primeiro. Palavras para quê?

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

As Minas do Pejão

O que resta do património material e imateral das Minas do Pejão continua a merecer a atenção da ADEP que tem vindo a estabelecer vários contactos com diversas entidades e pessoas com vista a encontrar um novo folgo que supere as águas paradas em que terá caído o muito anunciado projecto das Museu das Minas - da anterior gestão autárquica.


Depois de liquidado ou adjudicado a privados o património da extinta ECD e desactivadas consequentemente muitas das suas infraestruturas mais visiveis (v. g. rabões, rebocadores, caminho de ferro, cooperativa e teleférico), deve ser ainda imperativo da nossa consciência cívica refletir sobre as possibilidades e valias do que resta de memória e de património fisico que sendo exclusivo desta terra, muito pode representar para a economia da região numa época de crise como a que se vive.

Estamos certos que ainda será possivel juntar ideias e vontades de pessoas e instituiçõs ao saber e memória dos mineiros e que desse intercâmbio algo de positivo se revelará.

Ano Internacional das Florestas

A ADEP foi convidada a participar no 1.º Passeio Pedestre na ZIF de Paiva “Floresta para todos”, que terá lugar no Vale do Rio Paiva, na freguesia de Bairros e está agendado para o dia 26 de Março. Esta iniciativa da responsabilidade da Zona de Intervenção Florestal de Paiva conta com a colaboração da Associação de Defesa do Vale do Paiva – SOS RIO PAIVA.
Trinta anos depois de termos sido a primeira voz plural a defender publicamente a protecção do Vale do Paiva é saudável assistir a esta crescente motivação por parte de jovens entidades que apostam cada vez mais em iniciativas de desporto e recreio de natureza.
Este ano em que se celebra o Ano Internacional das Florestas terá também na ADEP um dia em que se tomarão algumas medidas relativamente a algumas árvores do Parque das Tílias e imediações.
Estas são mais duas iniciativas à disposição dos nosos associados e simpatizantes !

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Em homenagem às nossas árvores ...e artesãos do seu lenho!


O Amieiro é a árvore caracteristica das margens dos nossos rios. Diz-se que é a que melhor entende o Carnaval, por serem feitas dessa madeira as célebres máscaras transmontanas.


Esta espécie "Alnus Glutinosa (L.) ajudou as gentes do Norte (mas também as da Holanda ou até da Itália) a andar, a trabalhar e a folgar com os pés secos. Do séc XVIII reza o Cancioneiro, "Homem de Entre-Douro e Minho/Calça pau e veste linho/Bebe vinho de enforcado/...ou "São Gonçalo de Amarante/feito de pau de amieiro/irmão do pau dos meus socos/criado no meu lameiro".


Doutras qualidades da madeira ainda haveria que falar-se; das crenças que lhe estão associadas, da sua incorruptibilidade o que lhe permite ser adoptado para estacaria de fundações, qualidades medicinais, enriquecedor de solos, beleza da sua dupla floração, etc.
Protagonistas na história do calçado de pau, temos ainda em Paiva alguns artesãos tamanqueiros ou soqueiros que exerceram até à década de 60 do séc. passado, realce para Manuel Maria, que figura anexo e é uma presença simpática e habitual na Feira do séc XIX.

(respigando texto de Susana Neves na Revista"Tempo Livre")





escreveu Martinho Rocha

domingo, 13 de fevereiro de 2011

SEJA ADEPto !

Nunca é demais sublinhar a nossa permanente abertura a novas adesões que se materializem em ideias e projectos, trabalho e/ou apoio às nossas causas.
Se é “um dos nossos” ainda assim pode contribuir:
- Actualize a sua quota;
- Proponha um novo associado;
- Disponibilize-se com trabalho voluntário;
- Envie-nos o seu email, para que o possamos convidar para as nossas iniciativas…
Seja adepto !

O nosso contacto é adeppaiva@gmail.com ou pelo telefone 255 689 486.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Amianto vai ser inventariado e removido !

Depois de por muitas vezes nos dirigirmos a diversas instituições alertando para os perigos associados à existência desta substância em instalações públicas e para a necessidade da inventariação, eis que a Assembleia da República toma posição e determina procedimentos que ficam agora a cargo do Governo.
Foi publicada a Lei 2/2011 que “visa estabelecer procedimentos com vista à remoção de produtos que contêm fibras de amianto ainda presentes em edifícios, instalações e equipamentos públicos”.
O Governo tem agora um ano para proceder ao levantamento de todos os locais, que contêm amianto na sua construção, tempo a que se seguirá a obrigação das entidades gestoras prestar informação a todos os utilizadores dos espaços, da existência do amianto e da previsão do prazo para a remoção desta substância que quando inalada é cancerígena.

Boas notícias para os Rios Paiva e Bestança

A SIMDOURO – Empresa Pública de Saneamento do Grande Porto, lançou o concurso para a construção da ETAR de Fornos. Um investimento de cerca de 2 milhões de euros, localizado no Município de Castelo de Paiva, mas que também tratará o efluente de parte da freguesia da outra margem do Rio Paiva - Souselo no Concelho de Cinfães. A ETAR de Fornos será construída na freguesia de Fornos, a jusante do cais do Castelo - Município de Castelo de Paiva e terá capacidade para tratar o efluente de uma população de cerca de 8.376 habitantes.

Entretanto estão a ser também lançados mais dois concursos, um para a execução da ETAR de Cinfães e outro para os interceptores de Cinfães e Ribeira do Bestança (Porto Antigo).

A ADEP congratula-se com estas notícias de investimento na defesa do ambiente, depois de uma fase atribulada e de muitas situações insuportáveis de águas residuais a escorrer amiude por campos e caminhos em direcção aos nossos rios e ribeiros.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Foram-se as camélias do Cemitério de Sobrado…


Foram retiradas várias camélias no Cemitério de Sobrado, abatido um sobreiro na Av. General Humberto Delgado e uns carvalhos em Fornos…

A notícia surpreende. Nos concelhos nossos vizinhos desenvolvem-se nesta época iniciativas/roteiros de visita às camélias floridas! Foram ao menos transplantadas, ou nem isso ?

O impacto que estes “atentados” está a ter diz-nos que a nossa consciência cívica está, apesar do sucedido, a despertar, e isso em si é bom!

Há anos cortaram árvores centenárias na Mata da Boavista, e uma espécie rara na Meia Laranja sofreu um encosto amigo de um camião e não se ouviu um lamento. Afinal o Parque da Feira dá a imagem do que somos…

Hoje já não se pregam cartazes da campanha ou das discotecas nas árvores. Nem se fazem podas radicais …como aconteceu aos sobreiros da Senhora das Amoras. As árvores já não sofrem da doença do machadinho (que lhes arranca a casca e as asfixia lentamente). Os vândalos já não destroem árvores como antes o faziam (e fizeram no fim do Verão, no Parque das Tílias e no Largo do Palácio da Justiça)…