domingo, 26 de fevereiro de 2012

Pedras que falam ! O Penedo do Carcajo.

Outra das nossas lendas está associada ao penedo do Carcajo, nas Fontaínhas, freguesia de Fornos.
O imaginário popular laborou nas reminiscências e memórias da vivência algo atribulada e violenta com os povos invasores.
Assim dentro da enorme fenda do penedo, existe uma bela moura encantada, com corpo de peixe e cabeça humana. Ninguém se atreve a passar pelas imediações em horas tardias porque corre o risco de ser morto pela moura.








escreveu Martinho Rocha

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Pedras que falam ! O Penedo Cão

"A estampa VI (das Lendas e Tradições de Castelo de Paiva), representa (segundo o autor) o Penedo Cão, enorme pedregulho que as infiltrações hibernais fizeram estalar e abrir ao meio, facto que o povo atribuiu à quebra do encanto que se descreve no poemeto. A parte caída, que tinha quási 10 metros de diametro, na parte superior por onde fendeu (e que serviu de eira para malhar centeio), foi estupidamente britada para aproveitamento do seu granito...". O Penedo Cão é um exemplar enorme dos ditos penedos errantes de que fala Pinho Leal, que faz questão de dizer que onde os tem "visto em maior abundância é nos concelhos de Arouca, Castelo de Paiva, Sinfães e Castro Daire".
Também aqui encontrou apoio mais uma lenda de Paiva. Este penedo guardava um tesouro.E para quem queira saber o que diz a Lenda consulte turminhafabulosa.blogs.sapo.pt que o seu trabalho também merece ser reconhecido, tão clara e escorreita se apresenta a mesma.









escreveu Martinho Rocha

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Pedras que falam ! A Anta do Vale da Rua existe ?




A Anta do Vale da Rua está classificada como monumento nacional pelo Decreto de 16-06-1910. Tinha sido já referenciada por Pinho Leal em meados do séc. XIX, mas é desconhecida da população. Será que existe ?
Do Penedo Cão e do Dólmen do Castelo também se diz terem desaparecido. Margarida Rosa Moreira de Pinho na sua obra "Elementos para a História de Castelo de Paiva" desculpa estes desaparecimentos atribuindo-os "... à ignorância dos laboriosos e bem intencionados agricultores (...)que lhes não atribuíram (...) outra importância que não fosse a de se tratar de grandes blocos de pedra, prontos a serem utilizados em qualquer construção ..." como se os agricultores à data fossem os proprietários da terra ou gestores da coisa pública!
Pinho Leal sabia do que falava e na sua obra Portugal Antigo e Moderno pode ler-se que "Todas as Antas são penedos errantes, mas nem todos os penedos errantes são antas (...)As Antas conhecem-se por estarem todas sobre três ou quatro ou mais penedos menores que lhe sirvam de base(...) Várias Antas, sendo a maior a do Valle da Rua, a uns 300 metros ao SO da Vila de Sobrado".
No inventário do património classificado do IGESPAR, diz-se que "a prática dos tempos, as sucessivas adaptações a novas necessidades e o esquecimento da sua finalidade, em grande parte pela perda das memórias que carreavam e, sobretudo, pelo desconhecimento populacional sobre a sua importância para a elevação, no quadro nacional, das Histórias locais e/ou regionais, tem ditado, infelizmente, entre nós, a sorte de vários destes exemplares megalíticos. Em busca de "tesouros encantados", uns, de novos terrenos agricultáveis, outros, e de material para novas construções, terceiros, têm sido vários os motivos pelos quais antas (ou dólmens) são destruídas total ou parcialmente, perdido que se encontra há muito o seu sentido primordial.
A anta em epígrafe foi também sujeita a um processo semelhante, tendo sido soterrada, em finais dos anos sessenta do século passado, pela construção de uma habitação".
A fazer fé nesta informação do IGESPAR, afinal, a Anta existe, está soterrada!
Até quando o peso da história vai permitir mantê-la oculta ?

























Martinho Rocha

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

CORVITE: Pias dos Mouros. Pedras que falam !

Pinho Leal nas suas andanças por Paiva foi pródigo nos relatos de lendas e referências à nossa geografia, o mesmo é dizer aos nossos rios, montes, penedos, antas, mamoas e pessoas.
Ficamos a desejar que as pedras falassem tamanha é a distância a que estamos hoje da realidade encontrada ainda por Pinho Leal em meados do século XIX.
Sobre o Monte de Corvite, disse: "N'este monte há vários calhaos, esphericos e oblongos, do volume de grandes toneis, tendo cinco deles sepulturas muito bem abertas a picão, no cimo dos calhaos (...) Era incontestavelmente um almocabar (cemitério) mourisco.
Aqui appareceram, em 1859, moedas antiquíssimas (...) eram árabes.
Eram muito mais sepulturas, mas têem sido destruídas, para se quebrar a pedra, para edificar".


Muitas tem sido as diligências, exposições, denúncias e pedidos, endereçados às mais variadas instituições, no sentido de acautelar previamente obras e terraplanagens nas imediações de monumentos e vestígios, mas neste andar...(da lista onde já consta o Penedo Cão, Penedo de El Rei Garcia, Anta? do Vale da Rua, Necrópole de S. Pedro, nem um sussurro...)

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Geração’92 – Concurso de vídeo dirigido a jovens europeus

Qual é a sua visão para a vida sustentável daqui a 20 anos? O concurso lançado pela Agência Europeia do Ambiente “Geração 92” – relembrando os 20 anos da Cimeira da Terra, ocorrida no Rio de Janeiro em Junho de 1992 - oferece a oportunidade aos jovens europeus nascidos em 1991, 1992 ou 1993, de fazerem um vídeo mostrando a sua visão de um futuro sustentável. Os vencedores serão convidados a participar num evento sobre desenvolvimento sustentável em Copenhaga no próximo dia 5 de Junho, Dia Mundial do Ambiente. Os melhores trabalhos vão ainda poder ganhar um total de 6.000 € em prémios.

A entrega dos trabalhos decorre entre 1 de Março e 2 de Abril.

Mais informações sobre a iniciativa
Site Agência Europeia do Ambiente

domingo, 12 de fevereiro de 2012

óleos usados - ADEP recolhe para AMI !

Todos nós gostamos das batatas fritas. Embora para cozinhá-las seja necessário muito óleo. O óleo de cozinha polui os nossos rios e terras se for jogado pelo ralo da pia. Em Castelo de Paiva e concelhos limítrofes não há saneamento. E se o tivessemos os óleos poluem e obstruem os filtros existentes das ETAR’s. Ao aderir ao projecto de Recolha de Óleos Alimentares Usados não só evita a poluição da água como está a transformar o óleo em Biodiesel, uma fonte renovável de energia que diminui as emissões de CO2. Cada litro de óleo será transformado num donativo para ajudar a AMI na luta contra a exclusão social em Portugal.

Os restaurantes ou entidades, associados e amigos que pretendam participar deverão utilizar o número de telefone 21 836 21 00 ou 255 689 486 ou o email reciclagem@ami.org.pt ou adeppaiva@gmail.com.
Além da recolha de papel, que está activa e poupa anualmente o abate de 30 árvores, a ADEP aderiu ao plano da AMI, de recolha de óleos usados, pelo que os associados e amigos têm agora a possibilidade de colaborar nesta iniciativa, para bem do ambiente e contra a exclusão social.

sábado, 4 de fevereiro de 2012

DIA NACIONAL DOS MOINHOS – MOINHOS ABERTOS


No fim de semana dias 31 de Março e 1 de Abril, terá lugar pelo sexto ano consecutivo no âmbito do Dia Nacional dos Moinhos, o Dia dos Moinhos Abertos de Portugal, iniciativa organizada pela Rede Portuguesa de Moinhos, com o apoio da TIMS, Sociedade Internacional de Molinologia.
Pretende-se chamar a atenção dos Portugueses para o inestimável valor patrimonial dos nossos moinhos tradicionais, de forma a motivar e coordenar vontades e esforços de proprietários, moleiros, organizações associativas, autarquias locais, museus, investigadores, molinólogos, entusiastas, amigos dos moinhos e população em geral.
A Atafona (engenho de moer) Linho, da ADEP no Parque das Tílias, concelho de Castelo de Paiva, estará de portas abertas, nos dois dias das 10:00 às 16.00 horas .
Se alguma escola e/ou instituição pretender efetuar visita fora destes dias, deverá contactar a ADEP previamente.