quarta-feira, 29 de abril de 2015

Caminhada do Foral pelo caminho dos Mineiros



Vamos no sábado 9 de Maio percorrer o  caminho dos mineiros, que o faziam das imediações da Vila (e parte alta do concelho e até das vizinhas freguesias de Cinfães) até ao Pejão. Antes e depois de uma jornada no interior da mina ainda havia que, ao sol, chuva ou neve fazer diariamente esta caminhada. É também a nossa homenagem a esses bravos trabalhadores!
O percurso tem cerca de 10 Kilómetros e o regresso está assegurado por autocarro (cedido pela Câmara).A inscrição/participação é gratuita e pode ser feita no próprio dia. 


O Percurso: Vai passar em Nojões - Vilar e aí assinalaremos o 498.º aniversário da entrega em Nojões do Foral de Paiva. Do Parque das Tílias à Vila passando pela Travessa do Mineiro, ponte pedonal no Sardoura, Escola de Nojões, Casa do Vilas, Marco do Foral, Centro histórico de Nojões, Cruz da Carreira, Sabariz e Pejão.
Teremos igualmente connosco o Agrupamento de Escuteiros 1258 de Castelo de Paiva.

domingo, 26 de abril de 2015

actividades, projectos, convite de adesão a novos associados

Relatório das Actividades de 2014 - Plano para 2015 - LIVROS - INICIATIVAS, Direcção.

Para sócios e não sócios,está disponivel em página anexa, e com este título, informação diversa sobre a actividade e projectos da ADEP, bem como suportes de comunicação/actualização de dados, adesão de associados, aquisição de bens, etc.

sábado, 18 de abril de 2015

- Quem salva o moinho da Troia / Sardoura ?


O nosso amigo, e já falecido Zé de Troia (que era como o conhecíamos), colaborou connosco e aderiu pela primeira vez à iniciativa dos Moinhos Abertos em 2011. Nesse ano aí fizemos uma caminhada e a adesão veio a manter-se nos anos seguintes também com  a colaboração da Associação do Rio Sardoura. 
Antes disso o Zé tinha mandado fazer uma recuperação e diversos arranjos no Moinho de Cima, colocou um penado novo feito pelo Agostinho de Guivães. Tinha projectos para uma intervenção no Moinho de Baixo que não conseguiu concretizar. Cedo de mais partiu e o irmão Francisco que já assessorava “o negócio” tomou conta até que também ele sofreu AVC e de há vários meses para cá deixou de manter o moinho a funcionar.  
O moinho estava a precisar de uma reparação  - coisa pouca - , a colocação da rela e sua mesa de suporte, reparação que não chegou a ser feita. 
Problema para que se não vislumbra grande solução é que não há pessoas conhecedoras da arte nas imediações e o Francisco apenas poderia, à distância, dar alguns concelhos e ensinamentos. Não pode andar, não mora lá à beira e não vê quem faça a reparação, e assegure a continuidade daquele que seria, vejam lá, o segundo moinho do Sardoura a funcionar…
Desejarmos as melhoras ao Francisco e lançamos aqui este repto – no Dia Internacional dos Monumentos e Sítios :

 - Quem sabe alguma pessoa ou instituição, vê nesta actividade uma forma de ocupação de vida saudável e como tributo aos nossos costumes e saberes investe nesta iniciativa que muito diz a esta terra e a este Rio Sardoura, que a tantas bocas deu pão (de milho e centeio moído nestes moinhos) ao longo de gerações e gerações?

Quem conhecia a Meia Laranja?

No muro direito da meia Laranja para a Bafareira, tudo o que restava de elementos de granito trabalhado, foi serrado e vai ficar dentro da cofragem do novo murete, a fazer em cimento!
Esperava-se um mínimo de consideração pelos nossos mestres pedreiros; esperava-se sim a elevação do mesmo e a manutenção desses elementos que são património, falam da arte do seu tempo, da revolução nas estruturas viárias feita pelo Conde no séc. XIX. É lamentável o que se está a fazer, esssas pedras eram já as últimas visíveis de todo o conjunto romântico (não românico) que abria a entrada para a Vila como conheciamos que começava na Bafareira e terminava de forma apoteótica  com o recanto de repouso e com duas frondosas e raras árvores de garrafa na Meia Laranja. Todo o conjunto de granito já foi igualmente, retirado, destruido e escondido, nesta e na anterior empreitadas...
E tão caras nos ficaram essas pedras (recordamos que essas lages dos passeios e das estruturas de alguns dos nossos mais bonitos edificios terão dado cabo de monumentos como a Anta do Vale da Rua, Penedo do Cão e  penedos Del´Rei Garcia...), assistir a esta fúria, dá que pensar...




Que a nossa pégada ecológica vai deixar marcas indeléveis aos nossos vindouros ninguêm tenha dúvidas ...

sexta-feira, 17 de abril de 2015

DUAS DATAS, MAS UM SÓ FORAL !

No dia 6 de maio de 2017 comemorar-se-á o 500.º aniversário da entrega, em Vyllar de Nojões, do Foral à Terra de Payva, que havia sido outorgado por D. Manuel I em 1 de Dezembro de 1513.
A burocracia da época e a distância, que ainda hoje nos classifica de interior, necesssitaram de todo esse tempo para o fazer chegar à Terra de Paiva!

 “Anño Do nascjmento De nosso Senhor Jhesu christo De mjll e quinhentos e dezasete anños ssejs Dias Do mês De Majo Em o Vyllar de Nojõees que he ê termo Do Jullgado e terra De Payua no alpêdere De Gonçalo annês çapateyro EstanDo hy ffernam Dalluarez e Gonçalo pirjz Vereaedores e lujs alluarez pprocurador do Cconcelho e Joam añes Do Dicto logo e Joam alluarez De Nojoêes e outros homêes Do Dicto Concelho e bê assy estando hy alluaro barrosso criado e meyrjnho e pprocurador Do Senhor Lopo De soussa Senhor Da Dicta terrã – parecêo hy perante elles bras de ferreyra scripuã Dalfandega e allmoxarife daueyro e logo per elle foy amostrado hû Regimento que falla Da maneira ê que sse am De lançar os forãees e bê assy appressetou este forall que ffoy pobricado a todos e outro tall E este carregou aos Dictos Vereaedores e pprocurador e homêês bõõs e lhes Requereo que o conprise como ell rrey per elle mãda e que lhe pagãse setecentos rreaaes que sse nele monta e elles Receberam o Dicto forall e Diserõ que lho pagarjam testemunhas prresêtes erão Gonçalo pirjs / morador ê fornos e antonjo martjnz De ssãa E outrros e eu Johãm ffernandez tabeliam puprico e Judiciall no Dicto Concelho e escrispuã Da câmara que a todo fuy pressête e o esto escrepuy” .

No dia 9 de Maio vamos comemorar essa data  e caminhar pelo caminho que percorriam os mineiros da parte alta do concelho e até de Cinfães quando se dirigiam para o Pejão. Venha connosco !




sábado, 11 de abril de 2015

Hoje: Dia dos Moinhos abertos. Próxima Iniciativa: Caminhada do Foral 9 de Maio - sábado

Próxima iniciativa: Caminhada do Foral. Há-de passar em Nojões e vai seguir o caminho do mineiro. Inicio no Parque das Tílias, Vila passando pela Travessa do Mineiro, Almarde, Nojões, Sabariz, Pejão.
Teremos igualmente connosco o Agrupamento de Escuteiros 1258 de Castelo de Paiva e vai ter lugar no sábado 9 de Maio, a data que é a mais próxima (do dia 6) em que se comemora o 498.º aniversário da entrega em Nojões do Foral de Paiva.

Hoje a caminhada ao Moinho do Cabril intregada no Dia Nacional do Moinhos Abertos, foi assim: