domingo, 29 de julho de 2012

Mosaicos e Ouro em Castelo de Paiva


Mosaicos e Ouro, a riqueza que justificará a existência de um importante povoado  perto do Sardoura, no alinhamento Fundões, Felgueiras e Fojo.

Ourais, Ouriz, Mama de Oiro e até Rio Douro, são alguns dos topónimos que os estudiosos apontam para localizar atividades de exploração mineral, designadamente ouro, no passado. Há um afloramento que atravessa o concelho paralelo à jazida do carvão onde são visíveis várias minas, no nosso concelho, desde o Rio Paiva em Bairros, Sobrado, (Paraíso?) e Raiva em direção a Melres, do outro lado do Douro.
Segundo Margarida Rosa Moreira de Pinho nos seus “Elementos para a História de Castelo de Paiva”, no concelho já laboraram, além do carvão no Couto Mineiro do Pejão , “(…)minas de metais de várias qualidades: uma de antimónio chamada Cabranca, na Raiva, duas de chumbo, no ribeiro de Terramonte e quatro de chumbo e zinco denominadas Gardunha, Ourais, Ribeiro da Castanheira e Serradelo. Todas estas ficam situadas na freguesia da Raiva(…)”. É rico portanto o nosso sub-solo.
Os sinais dessa riqueza deixados pelos nossos antepassados poderão muito bem estar nos mosaicos encontrados.  Pinho Leal refere-se a vestígios arqueológicos encontrados, do domínio romano, e que eram  as ruínas de um templo, em Fundões – Sobrado, onde havia fragmentos de mosaico no pavimento. Também em Felgueiras, nessa mesma freguesia de Sobrado apareceu em 1861 uma grande peça de mosaico.
Para Maia Marques, investigador e palestrante no Encontro da ADEP, em Castelo de Paiva em Agosto de 1989, a região, “(…)já na época megalítica era extremamente habitada(…)A população na época romana seria uma população com certeza dispersa (o que prova a dispersão das necrópoles) ”. Considera que sendo raros os mosaicos, a haver três locais no concelho geograficamente próximos (Fundões, Felgueiras e Fojo) isso quer dizer que há indícios de um pequeno núcleo urbano nas imediações e que “(…)teria  a suficiente importância (riqueza) para possuir mosaico. No Alentejo há dezenas de Villae romanas, só as mais importantes têm mosaico. O mosaico era algo de muito caro que não estava ao alcance de qualquer bolsa(…)”  Vai mais longe este arqueólogo, “(…)Na Raiva, na zona de Ourais, vários autores põem a hipótese de aqui ter havido uma pequena Villae  ou pequeno estabelecimento e que este topónimo poderia ter a ver com a exploração de ouro, daí Ourais. Sabemos perfeitamente que era uma das atividades principais que os romanos levavam a cabo nestes rios cujos aluviões, tinham muitas vezes de facto areias auríferas(…)”. Para ler artigo relacionado com este tema "Ouro no Rio Paiva ?!" - ir a página anexa, in Jornal Chafariz, Janeiro de 1989.

Sem comentários: