domingo, 28 de outubro de 2012

Acudam, vai-se mais um dos nossos valores!


A ADEP pede intervenção do IGESPAR para que conheça e tome medidas cautelares para obstar à degradação a que vem sendo sujeito o forno telheiro de Real.
Trata-se de um testemunho com evidentes sinais de importante construção do que pode ser um forno telheiro que está em processo de contínua degradação o que constitui uma perda irreparável para o património se não forem tomadas medidas cautelares.
A ADEP encaminhou pedido de ajuda urgente ao IGESPAR alertando para o facto dos sinais evidentes de degradação a que vem sendo sujeito por virtude das infiltrações e do acidentado do terreno onde o mesmo se encontra, lamentando que desde 2008, ano da notícia da sua descoberta, nada tenha sido feito no sentido de conhecer e acautelar o achado.


Passados que foram trinta anos pós as primeiras escavações (em Valbeirô - Sardoura) que promoveu sob a orientação do Arqueólogo Lino Augusto Tavares Dias a ADEP vem somando inúmeras participações, recolhas, visitas e estudos pelo concelho e região em colaboração com universidades, investigadores e alunos.
A descoberta nos últimos anos de  mamoas, da  ara do Terreiro, em Vila Verde, do que pode ser um forno telheiro dos séc. XVI/XVII, em Real e dos trabalhos de proteção ao Marmoiral, Mamoa de Carvalho Mau e Cruzeiro de Carcavelos demonstram que a ADEP é, também na Arqueologia, a única entidade que no terreno continua a desenterrar testemunhos, a reclamar e a fazer estudos, proteção e divulgação do nosso património.
De lamentar que a generalidade dos materiais localizados e conhecidos estejam dispersos pelos museus vizinhos e no concelho não existam condições e espaços que não sejam os que a ADEP lhe vem disponibilizando sem que receba quaisquer apoios consignados para esse fim.  (Dos projetos de museu que já houve - e ainda há?- falaremos um dia).

Sem comentários: