sexta-feira, 5 de outubro de 2018

As comemorações da República em Paiva, faziam-se com estrondo!






O que diz a Gazeta de Paiva em 1919:

 “O frontespicio dos Paços do concelho está galhardamente embandeirado àquela hora e tem um aspecto admirável. O Largo 13 de Fevereiro, ainda no dia 4 tem hasteadas as bandeiras das nações aliadas e no meio um coreto para a música. Dia cinco de manhã salvas de tiros de fogo de dinamite, foguetes, a música, e a Portuguesa percorrendo as ruas da vila. Os edifícios dos republicados estão embandeirados. Sessão solene. Toma a palavra o sr. José Duarte da Cunha, a seguir Aureliano Ribeiro que faz um cerrado ataque ao dezembrismo e ao movimento monárquico do norte. Depois ainda fala o Mestre Professor de Real, sr Manuel Moreira da Fonseca que exulta o povo a ser republicado e a amar a República. Todos os oradores foram muito aplaudidos. Erguem-se Vivas à República, ao Dr. Afonso Costa, ao Dr. António José de Almeida. À noite organiza-se uma marcha com centenas de pessoas a percorrer as ruas da vila e a aclamar a República. Girândolas de foguetes estralejam constantemente. Por volta da uma hora da madrugada, terminam os festejos, não, sem antes se queimar seis dúzias de foguetes de dinamite que ribombavam como trovões!"


Transcrevemos livremente os textos cujas imagens juntamos e que fazem parte do nosso espólio bibliográfico da nossa biblioteca Manuel Afonso da Silva


















Martinho Rocha



Sem comentários: